terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Inveja


(foto: Robson Ventura/Folha imagem. Folha de São Paulo, 15/12/09)

Primeira folha. Apareceu na primeira folha do jornal, sabe lá o que é isso? Todos os meninos do Jardim Romano estão se matando de inveja; ficam mais tempo zanzando ali na rua alagada para ver se algum fotógrafo não os acha, procurando não respirar muito por causa do cheiro. Todo mundo tem histórias pra contar, mas o Luís é que teve sorte, foi o único. Só porque ele segurou aquela cobrona imensa e disse que muitas têm sido encontradas no meio das águas fedorentas; disse que até na casa dele tinha aparecido uma, não acreditamos nem um pouco. É certo que não dá mesmo para viver ali, pois tem uma aguaceira que não seca naquele solo pantanoso; mas que está divertido ver helicópteros passando pelo céu, isso está. O duro é que muita gente anda vomitando, tendo diarréia, e o único médico lá do posto não está dando conta. Ouvi dizer que o prefeito pretende tirar as famílias da várzea do Tietê mais cedo; antes a promessa era para 2012 e agora ele disse que vai ser no ano que vem. Será? Espero que o pessoal aguente firme e não morra até lá. Agora, uma coisa é certa: vou ficar bem amigo do Luís, já que ele ficou famoso, pois se ele for convidado para jogar em algum time de futebol, mesmo que seja de uma segundona, ele sabe que eu sou craque e me leva junto!

12 comentários:

  1. Maria, o bom de ser criança é que as crianças se alimentam do mundo interno que é pleno e se estende a tudo, sendo tudo.

    ResponderExcluir
  2. Que lindo comentário, Amanda. Você tem razão: as crianças têm sempre um mundo inteiro abraçado a elas, ainda bem!

    ResponderExcluir
  3. Maria Teresa
    Aí como aqui, há promessas feitas pelos políticos que não passam de promesas...

    ResponderExcluir
  4. É isso mesmo, Lourdes. E assim nós vamos caminhando, alguns com um pouco mais de sorte que outros...
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Maria Tereza
    O difícil está sendo confiar nas "boas intenções" de nossas autoridades municipais (ou estaduais) que nem em época de pré-eleições conseguem segurar situações como essa.
    Pobre gente!... Pobre cidade esta nossa!...
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. É verdade, Dulce, e pensar que a "vontade política" poderia ceifar tanta tristeza...
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Eu concordo, a vontade política poderia mesmo ceifar muita tristeza.
    Mas o povo vai se virando do jeito que dá. Vai contar com quem? E quando lembrar que a vida é injusta, apegue-se a natureza que não conhece o conceito de justiça. Engole e segue. Quem sabe um dia se consiga construir um abrigo que capaz de repulsar a tristeza, onde os ideais de humanidade possam ser considerados.

    ResponderExcluir
  8. Maria Tereza, estou fã do seu blog. Ele foi a minha fonte de inspiração...
    Vou me tornar assídua por aqui.
    Beijos, Heloisa

    ResponderExcluir
  9. Amanda: ainda bem que estamos às vésperas do Natal, momento em que se renovam nossas esperanças...

    Helô:
    Seja sempre muito bem-vinda; vou ficar feliz com sua visita. Vai ser muito bom comunicarmo-nos pelos blogs.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Crianças são esperanças que deveriam adubadas pelos homens... Mas...! Tantas vezes eles as afogam...

    ResponderExcluir
  11. Quanta verdade, Nivaldete! Os sonhos ficam submersos e o ambiente ficá fétido sem o perfume que eles aprisionam.
    Beijos

    ResponderExcluir