segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Luz

“Ele parece um fósforo!”. E parecia mesmo. O corpo era uma haste flexível que ia fazendo dribles e tirando a bola daqui, tirando dali, levando-a para o campo do adversário com ginga de quem mais brinca que joga, ainda bem, ufa! Foi uma espécie de alívio naqueles cinco minutos finais de jogo cheio de tensão, como se a mudança do placar pudesse evitar as mortes no Iraque e nos morros do Rio. Se a luz é o tempo pensando em si mesmo, como diria Octavio Paz, neste nosso “tempo de homens partidos”, o jogador que parecia um fósforo assemelhou-se à flor drummondiana que nasceu no asfalto e nos deu alento para começarmos a segunda-feira com expectativa de que o ar pode ter aroma de rosas e não de pólvora, no meio da primavera.

8 comentários:

  1. Muito obrigada pela visita e por suas palavras tão carinhosas. Escrevo com amor, pois amo o Brasil e seu povo e toda noss cultura, mesmo diante de tantas dificuldades.
    Volte outras vezes, FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... terá sempre uma história para contar.
    Saudações Florestais !
    Silvana Nunes.'.

    ResponderExcluir
  2. O que seria de nós se, neste mundo doido, não existissem os poetas? São eles que encantam o mundo, é você que suaviza a dor através de meigas e belas palavras. Obrigada pelo conforto. Beijos

    ResponderExcluir
  3. Curto textos curtos, pra fazer um trocadilho. O seu é um curto imenso. O resto da segunda-feira ficou melhor. Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Silvana: como eu disse lá, estou viciada naquelas histórias do FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER...

    Tânia: até derreti com essa lindeza de palavras! Obrigada.

    Nivaldete: Outra lindeza! Como é bom acabar a segunda-feira com todo esse carinho!

    Beijos ternos a vocês três.

    ResponderExcluir
  5. Obrigada por ler meu blog de culinária. Fico realmente feliz com seus comentários.

    Adoro as imagens que você põe aqui.
    Essa sua foto com o chalézinho atrás está muito bonita.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  6. Querida Prof!
    Fazia um tempo que nao aparecia por aqui e que prazer abrir o seu blog e dar de cara com esse texto maravilhoso, que tanto me emocionou!
    Porfavor, escreva sempre, posso ficar um tempo sem entrar aqui, mas tenho sempre a certeza que, quando entrar, encontrarei nao apenas palavras, mas alimento para a alma!
    Parabens! Beijos com carinho,
    Pri Carmona

    ResponderExcluir
  7. Olá Maria Teresa.
    Desculpe o comentário fora de contexto.
    Meu blog não atualizou os posts novos hoje.
    O seu também está com esse problema? Não sei o que é.

    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Andrea: Não só leio, como sigo todas as suas instruções... Imagine o "estrago", né? Fica tudo uma gostosura!

    Querida Priscila: que delícia saber que você passeia por aqui!! Adorei sua visita carinhosa! Beijo grande.

    Vera: às vezes isso acontece mesmo; depois normaliza. Estranho, né? Hoje parecia normal...

    ResponderExcluir