quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Isopor


Ele era alto, esguio, e tinha pele tão alva que dava para ver algumas veias azuis; olhava fixamente para a moça que fatiava o peito de peru que ele solicitara, todavia nem uma lasca de alegria habitava seu sorriso. Nem havia sorriso, mas perplexidade, pois as fatias eram arremessadas na bandejinha de isopor, como se não fossem importantes, como se não tivessem a dignidade de um naco de peru light. Então os cabelos branquíssimos não tiveram alternativa a não ser reclamar: cada uma delas deveria estar sobreposta em relação à outra, numa pilha ordeira, comportada, sem dobras, sem incorreções. A voz era baixa, educada, compungida. A reação da moça foi arrogante: “da próxima vez que querer assim tem que pedir antes!”. Logo me vi sendo amiga dele e percebi que a brancura da pele tingia-se de um rosa solitário, mas não menos altivo. Vi os olhos claros pestanejarem algumas vezes por detrás das lentes transparentes, enquanto outras fatias eram raivosamente cortadas e novamente jogadas com descaso em outro pedaço de isopor, mas agora em duas pilhas paralelas. Mantive com ele uns fiapos de conversa e percebi que sua alma escorria antes da hora, doída e indignada com o desarranjo nada apresentável de sua encomenda. Depois a cena acompanhou-me por um bom tempo e também a minha alma pareceu escorrer fora de lugar, doída e indignada com a grosseria inadmissível da atitude dela. Os olhinhos úmidos daquele senhor da fila de frios parecem ainda caminhar em minha direção e me explicar que pessoas velhas são aquelas comparáveis a bandejas de isopor, descartáveis. Foi aí que descobri: ele estava na fase da vida entendida como velhice, mas certamente não era velho.

(ilustração: http://fatimavenutti.blogspot.com/2008/07/velho-homem-velho-pai-ftima-venutti-o.html)


7 comentários:

  1. E feliz de nós se chegarmos a essa fase... quem sabe, com algum respeito.

    ResponderExcluir
  2. Waldette Fornaciari30 de setembro de 2009 22:29

    Velho comportamento humano: frieza, insensatez...Pois qual é a importância do servir? Mecânico ato. Sem afeto, apenas cortar e cortar,friamente os frios. Mais alguns gramas a servir,e aí, próximo!Desencanto logo se vai, e por sorte não o verei amanhã.

    ResponderExcluir
  3. Andrea e Waldette: desrespeito e desencanto neste rumo sempre de duas mãos. Como é difícil colorir os caminhos!
    Feliz com a visita de voês, muito feliz!

    ResponderExcluir
  4. Maria Teresa,
    Um bom dia pra você e pro nosso amigo de olhinhos úmidos! Mas, tenhamos a certeza de que ele soube viver com dignidade e educação. Pobre da jovem mulher que ainda não descobriu, e nem sabemos se um dia descobrirá, que a vida é curta demais para tamanha impaciência. Como nosso amigo Eduardo Lara Resende disse em seu belíssimo texto "Teia humana",é bom sabermos que juntos podemos trocar doces palavras, mesmo que virtuais. Ainda nos resta esperança e nós, seres humanos dignos, não podemos permitir que pobres almas estraguem nosso caminhar. Um grande abraço pra você!
    Flávia.

    ResponderExcluir
  5. Essa "teia humana" é verdadeiramente preciosa, Flávia. E quanto mais nos emaranhamos por ela, mais necessidade temos dessas palavras ternas, que tornam nosso espaço virtual muito real e verdadeiro. Um abraço carinhoso!

    ResponderExcluir
  6. Olá, Maria Teresa!

    Vim retribuir a visita!

    Este texto reflete sobre as atitudes indelicadas em relação ao outro. O atendimento automático nos comércios em geral. A arrogância, a desatenção e a falta de humildade em saber que cada gesto tem um significado... Que pode construir sorrisos ou ferir sentimentos!

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  7. Como é bom encontrá-la por aqui, Limara! Se o que esses botões ouvem repercute, os sons que eles escutam têm gosto de perfume! Abraços.

    ResponderExcluir